Novo layout do Minhas Leituras!

Olá!

Apesar de todas as postagens atrasadas, estou animada com essa novidade: o layout do Minhas Leituras, coisa que aqueles que já acompanham o blog devem ter percebido logo de cara.
Em primeiro lugar, é importante destacar que o layout foi feito pela Raquel, do Sweet Corner, que se ofereceu para tal tarefa. É ela, aliás, que fez todos os últimos cabeçalhos do ML. Um amor! Acho que já agradeci umas mil vezes, mas obrigada de novo!

Então, vamos às mudanças!
  1. Cabeçalho - é a minha cara! Minha parte preferida do lay todo <3
  2. Gadgets - aproveitei para excluir alguns antigos. Temos um novo link-me (fofo) e os links do Minhas Leituras nas redes sociais bem no comecinho da coluna lateral, junto com a barra de pesquisa. Os links levam ao facebook, twitter, skoob e à página de contato onde está o meu e-mail. Vou atualizar o meu perfil (Quem sou eu).
  3. Páginas - contato e parceiros atualizada. Adicionarei uma página Sobre o blog.
  4. Créditos - Raquel e http://cinnamonseries.com/ (imagem do cabeçalho).
O conteúdo do blog continua o mesmo, vocês sabem. Aliás, estou morrendo de saudades de escrever as resenhas, então vou focar nelas esse mês, prometo!
Obrigada pela paciência. Não esqueçam de seguir o blog pelas outras redes sociais para não perder nada!

Com amor,
Bia.


Emprestando livros [Vida de leitor #1]


Olá, queridíssimos leitores!

Estou muito animada com o post de hoje, o primeiro da nova coluna Vida de Leitor, onde escreverei sobre situações e fatos sobre a vida dos leitores assíduos, como eu, baseando-me em minha própria experiência e na dos leitores em geral.
Como primeiro tema, escolhi um bem pessoal, um costume que varia entre os amantes dos livros: a prática de emprestar livros. Há quem não hesite um segundo para oferecer um de seus livros a um conhecido, ansioso para compartilhar sua experiência literária. Por outro lado, há quem tenha um ciúme profundo de seus exemplares e seja capaz de responder a seu pedido de empréstimo com um não educado (ou não), por mais amigos que vocês sejam. 

De acordo com a enquete feita aqui no blog, vocês são leitores bem generosos! O resultado foi o seguinte: 12% sempre emprestam seus livros, 62% emprestam só para amigos e 25% raramente emprestam. Parabéns!

Eu, particularmente, não estou em nenhum dos dois extremos. Empresto sim, meus livros, mas não para qualquer um. Apenas para pessoas que sei que irão cuidar de meus livros como eu, que têm o mesmo amor por eles e vão devolvê-los, por mais que demore. Por exemplo, atualmente quatro livros meus estão emprestados: A Culpa é das Estrelas, Batendo à Porta do Céu, Doze Anos de Escravidão e A Verdade sobre o caso Harry Quebert. Mas não estou preocupada com eles, pois sem que estão em boas mãos.
Além disso, também pego muitos livros emprestados. Já li séries inteiras emprestadas de amigas, como A Saga do Tigre, os primeiros de Rangers, Pegasus e Maze Runner (aliás, todas essas foram da mesma pessoa. Isa, te amo!). Fora os livros que peguei da biblioteca quando eu costumava ir. Provavelmente, foi por isso que escolhi esse tema para o post de hoje, porque pegar livros emprestados é ótimo: não custa nada e acrescenta muita coisa à nossa experiência literária.
A maior preocupação dos leitores em emprestar seus "bebês" é que eles não serão devolvidos ou voltarão maltratados. Eu já passei pelas duas experiências, acho, mas foram com aqueles livros que a gente tinha que compartilhar com as outras pessoas da sala no quinto ano. (Ainda bem!)

Cabine Literária
Então, pessoal, a minha opinião é que temos que emprestar livros para quem ainda não leu, desde que seja alguém de confiança. O mesmo vale para quando pegamos um livro emprestado, seja de quem for devemos cuidar dele como se fosse nosso ou ainda melhor.

E vocês, o que acham? Emprestam muitos livros?
Criei essa coluna principalmente para debater os assuntos dos posts com os leitores, então por favor, comentem aqui ou no twitter, facebook, seja lá o que preferirem. Vocês também podem dar sugestões para os próximos temas. Provavelmente essa será uma coluna mensal.

Obrigada e até a próxima!

MMI - Out Of The Woods, Taylor Swift

Boa noite, gente.

Hoje o post será bem rápido, mas essa música vale muito a pena.
Depois de Shake It Off, mais uma música do quarto álbum da Taylor, 1989, foi revelada: Out of The Woods. Foi mais uma surpresa, melhor ainda do que a primeira música, como deveria ser. Out Of The Woods pode até ter um estilo diferente do que os swifties estavam acostumados, mas é carregada com a mesma emoção e bela composição de sempre. Eu amei! E também é muito gostosa de tocar no violão.
Bem, tirei suas próprias conclusões:



Tradução:

Fora de Perigo

Olhando agora, tudo parece tão simples
Estávamos deitados em seu sofá, eu me lembro
Você tirou uma foto de nós dois
E então descobriu (descobriu)
Que o resto do mundo era preto e branco
Mas nós tínhamos cores vivas
E eu me lembro de ter pensado

Já estamos fora de perigo?
Já estamos fora de perigo?
Já estamos fora de perigo?
Estamos fora de perigo?

Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Tudo resolvido, que bom

Já estamos fora de perigo?
Já estamos fora de perigo?
Já estamos fora de perigo?
Estamos fora de perigo?

Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Tudo resolvido, que bom

Estamos fora de perigo?

Olhando agora, em dezembro
Estávamos predestinados a cair aos pedaços, e nos unimos novamente
Ooh, seu colar no meu pescoço, aquela noite que não conseguíamos esquecer
Quando decidimos (decidimos)
Tirar os móveis do caminho para podermos dançar
Baby, como se fôssemos conseguir
Dois aviões de papel voando, voando, voando
E eu me lembro de ter pensado

Já estamos fora de perigo?
Já estamos fora de perigo?
Já estamos fora de perigo?
Estamos fora de perigo?

Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Tudo resolvido, que bom

Já estamos fora de perigo?
Já estamos fora de perigo?
Já estamos fora de perigo?
Estamos fora de perigo?

Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Tudo resolvido, que bom

Já está tudo resolvido?

Você se lembra quando pisou no freio antes da hora?
Vinte pontos no quarto do hospital
Quando você chorou
Baby, eu chorei também
Mas quando o sol nasceu
Eu estava olhando para você

Você se lembra de como não aguentávamos mais?
Eu saí andando e disse, "Estou te libertando"
Mas os monstros, na verdade, eram apenas árvores
E quando o sol nasceu
Você estava olhando para mim

Você estava olhando para mim, oh
Você estava olhando para mim

Já estamos fora de perigo?
Já estamos fora de perigo?
Já estamos fora de perigo?
Estamos fora de perigo?
Eu me lembro

Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Oh, eu me lembro

Já estamos fora de perigo?
Já estamos fora de perigo?
Já estamos fora de perigo?
Estamos fora de perigo?

Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Tudo resolvido, que bom

Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Já estamos fora de perigo?

Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Tudo resolvido, que bom

Já estamos fora de perigo?
Já estamos fora de perigo?
Já estamos fora de perigo?
Estamos fora de perigo?

Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Tudo resolvido, que bom (eu me lembro)

Já estamos fora de perigo?
Já estamos fora de perigo?
Já estamos fora de perigo?
Estamos fora de perigo?

Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Já está tudo resolvido?
Tudo resolvido, que bom
(letras.mus.br)

5 livros para dar de presente no Dia das Crianças

Oi, gente!

O Dia das Crianças está chegando, então se você quer presentear alguma (ou você mesmo) com um livro, confira os títulos infantis que separei a seguir, do catálogo da Editora Biruta e Gaivota.

Finalistas do Prêmio Jabuti 2014 na categoria Infantil:

Sete Patinhos na Lagoa
 
Autor: Caio Riter
Ilustrador: Laurent Cardon
Editora: Biruta
Faixa etária: a partir de 5 anos
Sinopse:
Esta é a história de sete patinhos e de um terrível jacaré.
Ou seriam seis patinhos? O fato é que a lagoa nunca mais foi a mesma depois que aqueles patinhos se viram frente a frente com o Barnabé.
Mergulhe nessa aventura poética e descubra tudo o que pode acontecer quando algumas inocentes aves resolvem nadar nas águas em que vive Barnabé, o terrível jacaré.

O Saci Epaminondas

Autor: Alan Oliveira
Ilustrador: Daniel Araujo
Editora: Gaivota
Faixa etária: a partir de 8 anos
Sinopse:
Tem criança que nem sabe o que é Saci, matintaperera ou coisa assim. Só quer saber de video game, televisão e computador. Eduardo Augusto, para os colegas de escola, Chatomax, não é diferente. Para tirar esse neto preguiçoso de dentro de casa, Luiza vai usar todos os seus truques, aqueles truques que só as avós têm, sabe? E temos de torcer para ela conseguir! Só assim poderemos embarcar nessa aventura e conhecer o Epaminondas, o saci, o matintaperera…




Lançamentos:

O Menino que Lia Nuvens

Autor: Ricardo Viveiros
Ilustrador: Gonzalo Cárcamo
Faixa etária: a partir de 5 anos
Editora: Gaivota
Sinopse:
No céu azul, nuvens brancas, o Sol, um elefante… Um elefante? E tem mais! Uma bola de futebol!
Conheça Aldebaran, um garoto calmo que adora ficar observando as formas das nuvens. Mas eis que começa a ver algo além das formas, algo além de seu presente, e de tanto olhar para o céu acaba encontrando o que sempre procurou.
E você, já deu uma olhada no céu hoje?






O Gigante do Maracanã

Autor: Cesar Cardoso
Ilustrador: Larissa Ribeiro
Faixa etária: a partir de 8 anos
Editora: Biruta
Sinopse:
Uma menina e seu pai. Qual a distância entre eles? Hoje, estão bem próximos, no meio de uma torcida. É a primeira vez que o pai a leva pra ver um jogo de futebol, e essa aventura acontece na arquibancada daquele estádio imenso, o grande Maracanã, não, o gigante!
O que ela vai aprender por lá? As regras do jogo. O prazer do drible.
A emoção do gol. A grande área, a marca do pênalti, a defesa do goleiro…
Mas o que mais a menina aprende, levada pela mão do pai para esse jogo, que talvez dure bem mais do que noventa minutos?


Piscina já!

Autor: Luiz Antonio Aguiar
Ilustrador: Tiago Lacerda
Faixa etária: a partir de 9 anos
Editora: Biruta
Sinopse:
Era um Brasil bem diferente.
Um país debaixo de Ditadura.
Tem gente que não conheceu esses tempos e nem imagina como foi. Era dureza, chumbo grosso. O Brasil estava um breu na época. E mesmo assim a garotada do Condomínio da Colina partiu para a briga contra a repressão.
E foi uma aventura dessas que quem viveu nunca esquece!
Como foi? No que deu?…
Está contado aqui… em Piscina Já!
Uma viagem para um tempo em que gente como a gente lutou – de várias maneiras – pela liberdade!


Se eu ainda estivesse na faixa etária desses livros, iria adorar lê-los, ou que alguém lesse para mim. Aliás, ainda gosto de ler para outras crianças, como meu irmão e meus priminhos. As temáticas dos livros da Biruta e Gaivota são muito boas, e as capas são lindas! Sempre fico encantada com as ilustrações desses livros, por exemplo, a de O Menino que Lia Nuvens.

Aí vai uma pergunta: quais livros marcaram sua infância? Farei um post com os meus e, se quiserem, incluirei o de vocês! Deixem suas sugestões nos comentários!

Beijos,
Bia :)

P.S.: logo voltaremos ao ritmo normal de posts!

Contos da Seleção: O Príncipe e O Guarda - Kiera Kass

Olá!
Não completei nem de longe os posts para o blog que tinha mencionado no começo de setembro, mas tá difícil mesmo. Farei o possível para atualizar tudo.
E, por fim, aqui está a última resenha da série A Seleção!

Livro físico
Sinopse:
Em “O Príncipe e O Guarda”, o leitor pode acompanhar de perto os pensamentos e emoções dos dois homens que lutam pelo amor de America Singer. Antes de America chegar ao palácio, já havia outra garota na vida do príncipe Maxon. O conto O príncipe não só proporciona um vislumbre das reflexões de Maxon nos dias que antecedem a Seleção, como também revela mais um pouco sobre a família real e as dinâmicas internas do palácio. Descobrimos como era a vida do príncipe antes da competição, suas expectativas e inseguranças, assim como suas primeiras impressões quando as trinta e cinco garotas chegam. Para America, a vida antes da Seleção também era muito diferente. A começar pelo fato de que ela estava completamente apaixonada por um garoto chamado Aspen Leger. Criado como um Seis, ele nunca imaginou que acabaria se tornando membro da guarda do palácio. Em O guarda, acompanhamos Aspen a partir do momento que o grupo de trinta e cinco garotas da Seleção é reduzido para a Elite, conhecemos sua rotina dentro das paredes da casa da família real — e as verdades sobre esse mundo que America nunca chegou a conhecer. Leitura indispensável para os fãs de A Seleção, esta antologia inclui, ainda, um final estendido do conto O Príncipe; conteúdos extras exclusivos, como uma entrevista com a autora e dados inéditos sobre os personagens; além dos três primeiros capítulos de A escolha, o aguardado desfecho da trilogia, que será lançado em maio de 2014.
Skoob
***

O primeiro conto, O Príncipe, é contado sob o ponto de vista de Maxon, durante os primeiros capítulos de A Seleção. Ele demonstra sua insegurança e ansiedade para o começo do concurso. Conhecemos melhor seu pai, vendo o quanto ele se interessa pelo casamento do filho com uma garota das castas mais altas e tem certa interferência por trás da seleção.
Na minha opinião, seria mais interessante se esses capítulos no ponto de vista do príncipe fossem mais para a frente da história, pois acho que no começo não foi grande coisa.
Gostei mais de O Guarda, onde o narrador é Aspen, que descreve um pouco da vida dos funcionários do palácio, seus sentimentos por America e sua fofa relação com as criadas dela.
O livro físico também tem o primeiro capítulo de A Escolha, uma entrevista bem legal com Kiera Kass, a árvore genealógica dos personagens principais e a playlist oficial de A Seleção e A Elite, o que eu achei interessante, já que eu também monto playlists dos livros que leio.
Minha nota para o livro completo é 7,5.

Ficha técnica:
Título: Contos da Seleção: O Príncipe e O Guarda
Possui conteúdos extras.

Autora: Kiera Kass

Editora: Seguinte

Nº de págs.: 264

Magnus Chase: a nova série de mitologia nórdica de Rick Riordan

Boa noite, leitores! Como estão?

Sei que faltam apenas cinco dias para o fim do mês e há postagens pendentes, mas tive que passar a notícia na frente de qualquer outra coisa. Afinal estamos a duas semanas do lançamento do último livro da série Os Heróis do Olimpo: O Sangue do Olimpo, de Rick Riordan, que é como o final oficial das grandes aventuras de Percy Jackson, embora possa haver histórias menores a serem publicadas, como foram O Filho de Sobek, encontro de Percy e Carter Kane, e The Staff of Serapis, com Annabeth Chase e Sadie Kane.
O fato é que os fãs já estavam animados o suficiente, fazendo mil e uma especulações sobre o final triunfal que esperamos para Os Heróis do Olimpo, quando... Rick Riordan revelou ontem o título oficial de sua próxima série, sobre mitologia nórdica:

Magnus Chase e os deuses de Asgard

Tananaaaaaaam: os fãs estão EUFÓRICOS! (Isso se baseando na minha própria reação). Todos já sabiam que o tio Rick lançaria a série nórdica, mas esse título foi uma bomba, porque já estamos na iminência de ter BoO em mãos. Agora teremos mais um livro para esperar até outubro do ano que vem.
Além disso, surgem as especulações baseadas no título da série. Magnus Chase: alguém com o sobrenome de Annabeth. Obviamente, não é uma coincidência, fato que foi confirmado pelo tio Rick em seu blog. Certo, então esse tal de Magnus tem relação com Annabeth. Como?
Todos esses elementos das séries se entrelaçando pode fortalecer a teoria dos leitores de que, ao final das séries, Rick Riordan possa fazer um grande crossover com elas, juntando-as em uma única saga.

Bem, só nos resta esperar! O que vocês acham? Ansiosos para os próximos lançamentos?
Beijos!


A Escolha (vol. 3 da trilogia A Seleção) - Kiera Kass

"Você não é o mundo, mas é tudo o que torna o mundo bom. Sem você, minha vida ainda existiria, mas só." - A Escolha

Sinopse:
A Seleção mudou a vida de trinta e cinco meninas para sempre. E agora, chegou a hora de uma ser escolhida. America nunca sonhou que iria encontrar-se em qualquer lugar perto da coroa ou do coração do Príncipe Maxon. Mas à medida que a competição se aproxima de seu final e as ameaças de fora das paredes do palácio se tornam mais perigosas, América percebe o quanto ela tem a perder e quanto ela terá que lutar para o futuro que ela quer. Desde a primeira página da seleção, este best-seller #1 do New York Times capturou os corações dos leitores e os levou em uma viagem cativante ... Agora, em A Escolha, Kiera Cass oferece uma conclusão satisfatória e inesquecível, que vai manter os leitores suspirando sobre este eletrizante conto de fadas muito depois da última página é virada.
Skoob
***
America finalmente decidiu o que realmente quer para o seu futuro, embora ainda sofra ao deixar as certezas do passado para trás. Agora, ela precisa dar o melhor de si para conquistar completamente o coração do príncipe Maxon.
Porém, as coisas não são tão simples e ela precisa a permanecer firme em sua decisão. Precisa também encarar as outras meninas de frente e descobrir que todas elas tem algo de bom, que podem ser unidas em vez de inimigas.
Nesse livro, os segredos dos rebeldes nortistas são finalmente revelados e temos mais cenas de ação para quebrar o romance contínuo. As personagens evoluem consideravelmente: conhecemos melhor as cinco meninas, America adquire uma postura mais real e Maxon faz tudo o possível para prevalecer sobre os desejos de seu pai.
Não há muito mais que se possa dizer sem spoilers. O final teve suas surpresas e também coisas previsíveis, mas foi bom.
E com isso, terminou - apesar dos contos que estão por vir - uma trilogia que apesar de não me cativar completamente, valeu a pena ter sido lida.
Nota: 8,5

Ficha técnica:
Título: A Escolha
Autora: Kiera Kass
Editora: Seguinte
Nº de págs.: 352

Como a felicidade me encontrou



Acordei com a luz do sol na janela, um despertar belo e tranquilo. Da janela do banheiro já era possível contemplar o claro céu azul às seis horas da manhã. Era o amanhecer de mais um dia lindo, como vinham sendo todos desde a última segunda-feira. Tudo indicava que dali a poucas horas começaria a fazer calor, mas isso não me desanimava. Minha preferência será sempre pelos dias quentes e ensolarados, quando parece que a própria natureza sorri.
Foi uma longa quinta-feira, como todas as minhas outras quintas e segundas, porém as aulas e provas do dia não o tornaram desagradável. Ele passou flutuando, dançando, vestido de raios de sol, refletindo minha felicidade. Felicidade, era ela o motivo de tanta beleza ao longo de todos esses dias.
Durante esse breve período de tempo, pensei comigo mesmo de onde vinha e por quê tanta felicidade. Sentia essa sensação maravilhosa de estar animada para tudo, disposta a cumprir todas as obrigações, de ter vontade de VIVER! E assim, refletindo, cheguei à conclusão: felicidade não precisa de motivo ou justificativa, ela é o motivo de vermos o lado bom de tudo. Isso porque ela parte de dentro para fora, e não o contrário. Tal sentimento não devia me surpreender, não a mim, que sempre fui tão feliz, mas fazia um tempo que eu não percebia em meu ser essa alegria genuína e singela, de força tão intensa que não é passageira em um dia ou dois. Perguntei a uma amiga, na segunda, qual seria o motivo dessa felicidade, e ela respondeu algo do tipo "Não sei, mas você parece ser feliz sempre." Uau, foram muitas as vezes nesse ano em que não me senti assim! Mas de qualquer forma nunca deixei-me ser dominada pela tristeza, ela não combina comigo, não cabe aqui. Anne Frank, que nunca me canso de citar, escreveu “Quem for feliz, torne também feliz os outros. Quem tem coragem e fé nunca perecerá na miséria.” Beatriz significa "aquela que traz felicidade para todos". Tenho prazer em honrar meu nome.
A verdade é que, como escrevi anteriormente, quando estamos felizes somos capazes de avaliar o lado bom das coisas, fazemos o "jogo do contente", como Pollyanna. Afinal, o que há de melhor do que acordar e ver o brilho do céu azul logo de manhã? Podemos nos regozijar com tudo o que temos, ver que há beleza em amar mesmo sem ser correspondido, ter a alegria de viver um dia de cada vez! Isso não ser sonhador demais, é ser realista de um jeito bom.
Durante essa semana, nada ocorreu de grandioso, porém as pequenas coisas foram especiais. Eu ri, almocei com minhas melhores amigas e passei as manhãs ao lado de outros amigos. Terminei um bom livro. Lembrei-me daquela frase que me inspira, de Carlos Drummond de Andrade: "Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade". Tive inspiração para escrever esse texto. Vivi.
A felicidade entrou pelas frestas da janela do meu quarto com os primeiros raios de luz da manhã, acomodou-se em mim e não pretende ir embora enquanto houver um céu azul sobre nossas cabeças, esteja ele claro ou vestido de nuvens.

“Muitas vezes me acontece de brincar o jogo do contente sem pensar. A gente fica tão acostumada que brinca sem saber. Em tudo há sempre alguma coisa capaz de deixar a gente alegre; a questão é só descobri-la.” – Pollyanna
© Minhas Leituras - 2010. Todos os direitos reservados. Criado por: Beatriz. Layout por: Raquel do Prado. Tecnologia do Blogger. imagem-logo