Pesquisar este blog

Carregando...

sábado, 12 de abril de 2014

Transformar


Acordei com vontade de transformar 
Ontem em hoje,
Distância em abraço,
Tempo e espaço.

Não cumprir
O horário.
Meu dever
Deixar por fazer.

Bagunçar o curso do tempo,
Viajar pela minha história,
Pagar a passagem com uma memória,
Regredir muitos anos e avançar outros tantos.

Fazer do pequeno grande,
Ampliar o insignificante.
Mais do que pouco,
Menos do que muito.

Viver sonho em lugar da realidade,
Esquecer a dificuldade,
Trocar todas as preocupações,
Pelas mais belas canções.

- Bia F. T.

Análise: Auto da Barca do Inferno - Gil Vicente

Olá, meus lindos!

Hoje eu fiz o meu trabalho de Literatura sobre o Auto da Barca do Inferno, que é uma obra clássica do Humanismo que a gente tem de estudar na escola. Não que eu ache um tema realmente interessante para postar, mas resolvi mostrar meu trabalho a vocês assim mesmo, porque se alguém precisar de ajuda com esse tema na escola, quem sabe ele seja de alguma utilidade?


Análise: Auto da Barca do Inferno – Gil Vicente

O Auto da Barca do Inferno é uma das peças da Trilogia das Barcas, escrita por Gil Vicente no início do século XVI e representada pela primeira vez em 1517. É uma obra do Humanismo, período em que se destaca o antropocentrismo, ou seja, a valorização do ser humano e os valores morais.
A obra, sendo um auto de moralidade, faz uma crítica satírica a alguns aspectos da sociedade da época, incluindo características do caráter humano, e à Igreja Católica. Gil Vicente utiliza sarcasmo e humor para apontar as diversas falhas do caráter humano, que são representadas por diferentes personagens.
A peça é marcada pela religião católica, baseando-se no princípio da ida ao Céu ou inferno após a morte. Existem duas barcas: uma dirigida pelo Anjo, que leva ao Paraíso, e outra dirigida pelo Diabo, que leva ao inferno. Ao longo do texto, surgem diversas personagens que vão sendo julgadas principalmente pelo Diabo e levadas a entrar em uma das duas barcas. De todas as personagens apresentadas, apenas vão para o Céu o Parvo (bobo da corte), por seu modo de vida simples e humilde, e os Quatro Cavaleiros, por terem participado de uma Cruzada, matando os hereges em nome de Deus, embora a ida desses últimos também seja uma ironia, já que eles só vão para o Céu porque são protegidos pela Igreja. As demais personagens são condenadas à barca do inferno, até mesmo o Fidalgo, que por seu status social achava-se digno do Céu mas fora arrogante e egoísta em sua vida, e o Frade que acreditava merecer o Céu por ter feito parte da Igreja, apesar de levar consigo uma amante e ter tido hábitos mundanos.
São utilizados, ainda, elementos da mitologia grega em alguns trechos da peça. Por exemplo, algumas vezes o Diabo é comparado a Caronte, o barqueiro que na mitologia grega transportava as almas desse mundo para o mundo dos mortos, em troca de uma certa quantia em dinheiro.
O Auto da Barca do Inferno possui apenas um ato e foi escrita principalmente em versos redondilhos. Gil Vicente utilizou uma linguagem variada entre as personagens, desde simples ou vulgar até elegante e erudita. Também utilizou-se, além do português, do espanhol e do latim em algumas passagens.
Essa obra é uma das mais famosas do Humanismo, assim como as outras peças de Gil Vicente.

***

domingo, 6 de abril de 2014

Sugestões para posts

Oi, gente!

Estou com tanta saudade de vocês!! Infelizmente a escola ocupa todo o meu tempo ultimamente, mas eu posso assegurar que nada me separa desse blog, nada mesmo. Que eu tenho o que postar eu tenho, mas preciso de tempo para escrever os posts decentemente, né.
Estou sem resenhas para fazer por enquanto porque ainda estou lendo Memórias de um Sargento de Milícias para a escola, eu mal tenho tempo para ler e falta praticamente uma semana para a prova dele. Tipo, tem um monte de livro acumulado para eu ler na minha estante.


Bem, para eu ter uma noção das coisas mais importantes que tenho que postar, quero pedir a opinião de vocês. O que querem que eu poste aqui no Minhas Leituras? Por favor, deixem nos comentários os seus pedidos, assim posso ir planejando os próximos posts :)

Ajudem-me, por favor!
Beijos,

Bia.

sábado, 22 de março de 2014

Trilha sonora de Leitura: Convergente

Olá, pessoas lindas!

Já faz uma semana de que postei a resenha de Convergente, e ainda falando sobre esse livro, resolvi postar a minha trilha sonora de leitura dele. Sempre que leio um livro, qualquer que seja, e escuto alguma música que se relacione a ele de alguma forma, ela se torna minha trilha sonora oficial da história, haha.
Dessa vez, resolvi compartilhá-la com vocês! Espero que gostem ;)

Beating Heart - Ellie Goulding
Da trilha sonora de Divergente


Essa música é linda demais, muito Fourtris, e apesar de fazer parte da trilha sonora do primeiro filme, combina com os três livros.

Dead in the Water - Ellie Goulding
Trilha sonora de Divergente


Muito apropriada para Convergente, também.

Hey Brother - Avicii

Já amo essa música por si só, mas ela também me lembra muito a relação de Tris e Caleb, principalmente na parte em que ela percebe que apesar de tudo o que ele fez, ela ainda o ama e o perdoa, porque são irmãos e nada mais importa.

Essas são as principais músicas que me lembram de Convergente. Se vocês gostaram do post e querem que eu faça mais trilhas sonoras de leitura, comentem, por favor.

Beijos,
Bia.

domingo, 16 de março de 2014

Convergente - Veronica Roth

Hey!

Saudade de postar! Sério, eu estou sem tempo ultimamente, mas de qualquer forma eu finalmente enviei os prêmios do Concurso Futuros Escritores, então agora posso me preocupar em atualizar o Minhas Leituras nas horas vagas (que são poucas), e tem muito post acumulado já.

Enfim, o que importa é que ontem eu terminei de ler Convergente, último volume da trilogia Divergente, de Veronica Roth. Eu ainda não sei se já superei esse final.
Bem, vamos lá. Mas antes de começar, quero dizer uma coisa:
Sejam corajosos.


terça-feira, 4 de março de 2014

Filme: A Menina que Roubava Livros

Olá!

Hoje irei falar sobre o filme A Menina que Roubava Livros, adaptação da obra de mesmo título de Markus Zusak.


Sinopse:
Durante a Segunda Guerra Mundial, uma jovem garota chamada Liesel Meminger (Sophie Nélisse) sobrevive fora de Munique através dos livros que ela rouba. Ajudada por seu pai adotivo (Geoffrey Rush), ela aprende a ler e partilhar livros com seus amigos, incluindo um homem judeu (Ben Schnetzer) que vive na clandestinidade em sua casa. Enquanto não está lendo ou estudando, ela realiza algumas tarefas para a mãe (Emily Watson) e brinca com a amigo Rudy (Nico Liersch).
Adoro Cinema

Opinião:

Começando pelos atores, acho que eles fizeram um trabalho maravilhoso no filme. A atriz que interpretou Liesel soube mostrar muito bem a personalidade e passar toda a história e as emoções da personagem. Hans e Rosa, Max e Rudy também foram muito bem interpretados.


Quanto à adaptação do livro para o cinema, achei ótima. O filme conseguiu passar praticamente toda a emoção do livro (não digo toda porque o livro sempre tem algo a mais), e poucos detalhes foram alterados. Várias citações do livro foram mantidas, principalmente na narração. Acredito que, mesmo para quem não leu o livro, a história ficou coerente e de fácil entendimento (afinal, meus pais não leram e entenderam muito bem o filme. Aliás, eles adoraram).
Bem, há várias opiniões divergentes relacionadas a este filme. Eu também não sou nenhuma crítica, e estou aqui dando minha própria opinião como alguém que já leu o livro e estava curiosa e ansiosa sobre a adaptação. Claro que não supera o livro, mas já vi adaptações muito piores.
Enfim, amei essa adaptação.


Diretor: Brian Percival
Atores: Sophie Nélisse (Liesel), Geoffrey Rush (Hans), Emily Watson (Rosa), Nico Liersch (Rudy), Ben Schnetzer (Max).
Trailer: 


E vocês? O que acharam do filme?
Comentem :D

Amo essa parte da biblioteca <3


sábado, 1 de março de 2014

Pequeno Recorte de Fevereiro

Oooi, pessoal!


Estava morrendo de saudades de vocês! Desculpem-me por ter ficado algum tempo sem postar, mas eu estou me acostumando com a rotina do Ensino Médio. Não, na verdade esse é o menor dos problemas. Enfim, nesse feriado vou atualizar o blog com resenhas, filmes, etc.. Além disso vou ler como se não houvesse amanhã, porque estou relendo Divergente e Insurgente para finalmente poder comprar Convergente. Eu necessito de Convergente, ainda mais depois que eu vi um spoiler terrível. Fora que estou lendo um outro livro para a escola.

Ok, passemos ao título do post, Pequeno Recorte de Fevereiro, mês que teve poucos porém importantes posts.


Descobrimos quem foram as vencedoras do Concurso Futuros Escritores (aliás, estou terminando o prêmio de vocês, meninas!).
O Minhas Leituras começou uma parceria com as editoras Biruta e Gaivota.
Resenhas: Querido John e A Menina que Roubava Livros.


domingo, 16 de fevereiro de 2014

A Menina Que Roubava Livros - Markus Zusak

Odiei as palavras e as amei, e espero tê-las usado direito.
- A Menina Que Roubava Livros

Olá! 
Não postei nada a semana inteira, mas estou organizando os prêmios do concurso, e além disso eu não estava muito inspirada para postar nos últimos dias. 
Tenho outra resenha para postar, mas achei que escrever sobre A Menina Que Roubava Livros não podia esperar. Terminei de ler hoje e preciso urgentemente registrar minha opinião sobre essa obra única e maravilhosa.